quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

 THE WHITE HOUSE 

What President Obama is looking for in a Supreme Court nominee:
With the passing of Justice Antonin Scalia, the President now has a duty to nominate someone to sit on the bench of our nation's highest court. Article II, Section 2 of the Constitution makes that responsibility clear. It's a responsibility President Obama takes seriously -- and one he hopes the Senate will take seriously, too.
This week, in a guest post for SCOTUSblog, the President offered some insight into what he's looking for in a Supreme Court nominee. Here's what he had to say:
The Constitution vests in the President the power to appoint judges to the Supreme Court. It’s a duty that I take seriously, and one that I will fulfill in the weeks ahead.
It’s also one of the most important decisions that a President will make. Rulings handed down by the Supreme Court directly affect our economy, our security, our rights, and our daily lives.
Needless to say, this isn’t something I take lightly. It’s a decision to which I devote considerable time, deep reflection, careful deliberation, and serious consultation with legal experts, members of both political parties, and people across the political spectrum. And with thanks to SCOTUSblog for allowing me to guest post today, I thought I’d share some spoiler-free insights into what I think about before appointing the person who will be our next Supreme Court Justice.
First and foremost, the person I appoint will be eminently qualified. He or she will have an independent mind, rigorous intellect, impeccable credentials, and a record of excellence and integrity. I’m looking for a mastery of the law, with an ability to hone in on the key issues before the Court, and provide clear answers to complex legal questions.
Second, the person I appoint will be someone who recognizes the limits of the judiciary’s role; who understands that a judge’s job is to interpret the law, not make the law. I seek judges who approach decisions without any particular ideology or agenda, but rather a commitment to impartial justice, a respect for precedent, and a determination to faithfully apply the law to the facts at hand.
But I’m also mindful that there will be cases that reach the Supreme Court in which the law is not clear. There will be cases in which a judge’s analysis necessarily will be shaped by his or her own perspective, ethics, and judgment. That’s why the third quality I seek in a judge is a keen understanding that justice is not about abstract legal theory, nor some footnote in a dusty casebook. It’s the kind of life experience earned outside the classroom and the courtroom; experience that suggests he or she views the law not only as an intellectual exercise, but also grasps the way it affects the daily reality of people’s lives in a big, complicated democracy, and in rapidly changing times. That, I believe, is an essential element for arriving at just decisions and fair outcomes.
A sterling record. A deep respect for the judiciary’s role. An understanding of the way the world really works. That’s what I’m considering as I fulfill my constitutional duty to appoint a judge to our highest court. And as Senators prepare to fulfill their constitutional responsibility to consider the person I appoint, I hope they’ll move quickly to debate and then confirm this nominee so that the Court can continue to serve the American people at full strength.
You can read his blog post here, and make sure to get the latest updates on the Supreme Court nomination process at wh.gov/scotus.


PRÉ-SAL: VERDADES E MITOS CONVENIENTES 
 (Leia no site
Por José Serra.

A Petrobras mergulhou numa crise que lhe fez perder o oxigênio necessário para dinamizar a exploração do pré-sal. Para trazê-la de volta à superfície, o Senado está prestes a votar o PLS 131, de minha autoria, relatado pelo senador Ricardo Ferraço, cujo objetivo é tão simples quanto essencial: livrar a empresa das obrigações de ser a operadora exclusiva em todos os campos do pré-sal e de arcar, simultaneamente, com 30% de todos os investimentos.
Adversários do projeto têm difundido a teoria de que o PLS levará o governo a vender na bacia das almas as jazidas do pré-sal. Isso é absolutamente falso.
O projeto não tem cronograma de leilões nem promove alteração no regime de partilha. Essas continuam sendo atribuições indelegáveis do Poder Executivo. Mais ainda, supor que os preços de hoje terão papel totalmente determinante nos leilões é desconhecer o funcionamento do mercado de petróleo. Os preços do óleo seguem trajetórias cíclicas e isso continuará no futuro. Além disso, feito o leilão de um determinado campo do pré-sal, a produção só se inicia 7 ou 8 anos depois. E a vida útil desse campo será em torno de 30 anos.
O PLS tampouco retira da Petrobras os campos já explorados por ela, que são muitos, nem impede a empresa de participar de novas licitações. Continuará vigente, vale lembrar, o art. 12 da Lei nº 12.351, que dá ao chefe do Executivo a prerrogativa de conceder à Petrobras — sem licitação e por decreto — a exploração integral de qualquer campo, se for do interesse nacional. Temos feito essa lembrança centenas de vezes, mas a existência desse dispositivo é ocultada pelos tribunos que se opõe ao projeto e ainda desconhecida por uma parte dos parlamentares.
O gargalo verdadeiro do pré-sal, hoje, é a incapacidade financeira da Petrobrás, uma empresa em apuros. Sua geração bruta de caixa anual é da ordem de US$ 25 bilhões, enquanto o vencimento anual de seus débitos é de US$ 20 bilhões. Encolheu-se brutalmente o espaço para novos investimentos. A dívida bruta da empresa está acima de R$ 500 bilhões, mais de 5 vezes o nível de 2009 e cerca de 10% do PIB brasileiro! Por isso mesmo a Petrobras já abandonou a meta de 4,2 milhões de barris por dia em 2020, que tinha sido anunciado na época da megalomania lulopetista, reduzindo-a a 2,7 milhões.
Para atenuar a crise financeira da empresa, o governo Dilma, do PT, convém enfatizar, tem posto à venda pedaços dos ativos da Petrobrás e de suas subsidiárias, de forma inepta, não planejada e, agora sim, na bacia das almas. Por que, neste caso, os patriotas não reclamam? Sequer sabem que o governo Dilma quer transgredir o regime de partilha pela porta dos fundos, de fininho, pois pretende, por meio da chamada “unitização”, ampliar as concessões que já existem no polígono do pré-sal. Por último, a fim de fazer caixa dentro do sufoco, e com a complacência do Planalto, a Petrobrás não está repassando aos consumidores a queda dos preços do petróleo. Desconsiderados os impostos, a gasolina brasileira está sendo vendida a preços (em reais) quase 50% superiores aos internacionais!
Outro argumento dos que não querem desobrigar a Petrobrás de ser a operadora única do pré-sal, mesmo à custa da paralisia da exploração da área, é sugerir que vale a pena esperar, pois o custo de exploração da Petrobras no pré-sal seria de US$ 9 por barril – de matar de inveja a Arábia Saudita.
Esse número é tão impressionante quanto falso. Entre janeiro e setembro de 2015, o custo da produção do segmento de Exploração & Produção foi de U$ 18,7 bilhões, segundo relatório da Petrobrás. A produção da empresa no período foi de aproximadamente 750 milhões de barris. Portanto, o custo médio foi de US$ 25 por barril, cerca de três vezes o número divulgado em comícios dos sindicalistas que se acham donos dos ativos da empresa. Donos só dos ativos, pois, para eles, os passivos ficam por conta do resto da população brasileira.
Vejam só: naquele número sequer estão computados os custos financeiros, os custos exploratórios e as despesas administrativas gerais. Se isso for feito, o custo médio da Petrobrás vai para US$ 32, equivalente a 4 vezes o propalado custo da empresa no pré-sal! Isto apesar das maiores dificuldades operacionais que a exploração do pré-sal impõe.
Deixando os delírios de lado, é preciso esclarecer que o problema da Petrobrás não é o da falta de eficiência técnica. Pelo contrário, o que sufoca a empresa é a incapacidade financeira de fazer os investimentos necessários – sem mencionar, evidentemente, suas dificuldades de governança e gestão.
No novo marco que proponho, a Petrobras recuperaria o direito de selecionar os seus investimentos, de acordo com a sua capacidade econômica e seu interesse estratégico. Diante da possibilidade de cada novo campo a ser explorado, ela diria ao CNPE se tem ou não interesse de exercer a preferência – dispondo de um mês de prazo para se manifestar. O que tem isso de errado? Nada. O que tem de certo? Produzir mais petróleo, independentemente da origem do capital, gerando-se empregos, receitas para a União, para os estados e os municípios e mais recursos para a educação e a saúde.
Se eu pautasse minha ação política e parlamentar nos critérios do quanto pior melhor, não estaria aqui insistindo num projeto que beneficiará o governo e a nação. Para isso temos de tirar a Petrobrás do jugo das vanguardas do atraso. As mesmas que promoveram a desindustrialização do país, pervertendo os efeitos da bonança externa da década passada, promovendo o atraso da infraestrutura de desenvolvimento e quebrando a Petrobrás mediante o arrocho eleitoral dos preços dos combustíveis e os investimentos megalomaníacos em refinarias superfaturadas e inviáveis.
NOTA: Quando este artigo foi enviado ao jornal, a votação do projeto no Senado ainda não havia sido concluída.

SENADOR DA REPÚBLICA, EX-PREFEITO E EX-GOVERNADOR DE SÃO PAULO

Acompanhe novos artigos no meu site: http://www.joseserra.com.br


The First Chamber of Commerce for Colombia Established in the United States (1927). www.colombianamerican.org











The Colombian American Association, Inc. (CAA) is a private, non-profit business organization founded in 1927 in New York. It was the first bi-national Chamber of Commerce for Colombia established in the United States.

wilsylvince.com     
FEBRUARY NY LAUGHS              
                                            FEBRUARY 2016  


GOTHAM LAUGH BEATINGS!


Wil Sylvince headlines at Gotham Comedy

NEW YORK CITY - AUG. 19th - 20th

Happening this weekend in New York City - I'm headlining at Gotham Comedy Club Friday Feb. 26th & Saturday Feb. 27th! For more info go to: www.gothamcomedyclub.com

          

FRIDAY FEB. 26, 2016

Gotham Comedy Club

TIME: 8:30PM & 10:30PM 

____________________________


SATURDAY FEB. 27, 2016  
NGotham Comedy Club
TIME: 8PM & 10PM 
___________________________
LOCATION
208 W. 23rd Street 
New York, NY 10011 
(212) 367-900 

Find us on Facebook                                              Follow us on Twitter           lon
Short Cuts Film Festival, P.O. Box 2716, New York City, NY 10008
Para visualizar esta comunicação no seu navegador, acesse aqui.

Adicione nosso remetente a sua lista de contatos: novidades@novidades.catredeglobo.com.br

OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016
OSCAR 2016OSCAR 2016OSCAR 2016OSCAR 2016

OSCAR 2016