domingo, 23 de outubro de 2011

“Pois eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.”. Jó 19:25


Uma nação corrupiada...
Triste de uma Nação que amanhece quase que diariamente enlameada com uma nova modalidade de crime contra o patrimônio público. É revoltante e vergonhoso para um povo ter que se deparar, cotidianamente, com escândalos e mais escândalos, praticados em todas as esferas por quem deveria zelar pelo dinheiro do contribuinte.
O pacato cidadão não mais se surpreende quando vêm à tona novas denúncias de falcatruas, cometidas por agentes públicos, especializados em usarem o cargo público para beneficiarem interesses privados.
O País está amontoado de especialistas em tirar dinheiro da merenda escolar, do remédio, da obra pública para botar no próprio bolso ou no bolso de parentes e amigos.
Diante da impunidade provocada pela falta de dispositivos mais eficazes; da morosidade da justiça e até mesmo por comprometimento com a bandalheira, a coisa está se tornando banal, corriqueira e em vez de exceção está se tornando regra.
A falta de dignidade e compostura por parte desses agentes públicos, acobertados pela inércia dos órgãos responsáveis pela fiscalização, facilitam que roubem as verbas destinadas à merenda escolar, à saúde e remédio, para as escolas, creches e idosos, construções de estradas, poços e barragens, bolsa família e muito mais. Isso é crime e deveria dá cadeia, de preferência, prisão perpétua.
Estamos diante de uma calamidade pública. Há muito tempo a ética não faz mais parte dos costumes. A dignidade é algo démodé. O que vale é se apoderar do dinheiro do contribuinte como se fosse à coisa mais banal, digna de um monge beneditino. O importante é dispor de recursos para bancar as mordomias, enriquecer precocemente filhos, parentes e aderentes, e o resto da população que sofra as conseqüências.
Ninguém mais pode esconder que o Brasil está repleto de corruptos, que  usam o dinheiro público como se fosse particular. Usam do cargo público para beneficiar interesses privados. Vejamos exemplos de gestor publico e advogados que abusam do poder público como se fossem os bonachões do Estado.(Aqui em Goiás está cheio disso minha gente...)
Exemplos é o que não faltam! Dos mais banais aos mais sofisticados existem de “tuia”; aos montes, para se escolher. Todos os  dias se anuncia um novo rombo no “espinhaço” da nação – pobre para uns e rica para outros ...
Propositadamente, esquecem os espertalhões que os recursos desviados são frutos de mais de 20 tributos pagos pelo cidadão honesto, sendo o principal deles o Imposto de Renda.
O pior é que desdenham das pessoas honestas com a 


maior falta de vergonha. Riem, descaradamente, das 


mazelas provocadas contras indefesos cidadãos e, na 


certeza da impunidade, afrontam a cidadania e a justiça 


com a maior banalidade.(agora estou falando de mim 


mesma, sou vitima disso minha gente).
Mas, um dia tudo pode mudar, basta apenas que o povo


 saiba escolher os seus representantes, 


não aceite a roubalheira calado, saia às ruas, exija os 


seus direitos, grite contra a impunidade, provoque o 


judiciário e,  não deixe que o lamaçal vergonhoso seja a


 regra em vez de exceção.
Se nada disso resolver, em último caso, o que nos resta 


é apelar para o Papa para que purifique as almas 


desavergonhadas e  não mais permita que nos leve no 


“papo” à vida toda.