segunda-feira, 30 de maio de 2011

Detesto as vítimas quando elas respeitam os seus carrascos."




This Memorial DayFirst Lady Michelle Obama and I are asking our fellow citizens to honor the brave men and women who have served and sacrificed so much for our country by supporting our military families and veterans.

Will you join me in sending a note of thanks to our military families? You can submit your message on JoiningForces.gov:

Send Your Message of Thanks
Our military families are true American heroes: they are parents who raise their kids alone while their spouse is deployed overseas, they are the grandparents who provide much needed support, and they are military kids who work hard in school while bravely awaiting their mom or dad's return from deployment. They serve our country bravely and without asking for recognition for their sacrifices.

That's why the First Lady and I started Joining Forces, a national initiative to recognize, honor and support our military families.

As a military mom, I know that a simple act of kindness can make a difference in the lives of our military families and veterans. Whether you offer to babysit or carpool, or just take a moment to say thank you, everyone can do something to support our service members and their families.

We are working with employers, with communities, with faith leaders, with schools and so many others. We can all join forces.

At JoiningForces.gov you'll find lots of ways to get involved. You can find service opportunities in your area, send a message of support to military families, or tell us your own story of service:
To all of our men and women in uniform, our veterans and our military families: thank you,
we are so grateful for your commitment and sacrifice.


A Segunda Milha Mt 5. 38

Pr. Costa Junior
Mt 5. 38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas.
Caminhar a Segunda milha fala de ir alem do que somos obrigados, quem já fez alguma coisa obrigado sCaminhar a Segunda milha fala de ir alem do que somos obrigados, quem já fez alguma coisa obrigado sabe o quanto isso é ruim, quando você obriga alguem a fazer alguma coisa isso pode ser visto como um abuso, um exagero, uma provocação, um insulto, uma ofensa, e quem aqui nunca sentiu isso, o sanguem ferve, o coração dispara, e o problema aparece, não é facil resistir a pressão.
Quais as lições que Jesus queria nos ensinar neste texto?  Ou qual a nova lei? A antiga era Olho por olho e dente por dente – quem vive esta lei aqui? Vejamos em Lc 6. 27 a 38abe o quanto isso é ruim, quando você obriga alguem a fazer alguma coisa isso pode ser visto como um abuso, um exagero, uma provocação, um insulto, uma ofensa, e quem aqui nunca sentiu isso, o sanguem ferve, o coração dispara, e o problema aparece, não é facil resistir a pressão.


Mt 5. 20 Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que sem motivo se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo.
 3. 13  Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição.

POR QUE PACIÊNCIA?


Somos acostumamos a dar conselhos aos outros sempre deixando muito bem claro a necessidade eminente da paciência, pois, sem ela, a calma se afasta de nós, abrindo espaço para o desespero.


Conseqüentemente trará dor e revolta agravando ainda mais nossos problemas e, pior ainda, irá retardá-los. Assim, nos sentimos os verdadeiros heróis da raça humana por estarmos ajudando necessitados com tanta presteza.

Entretanto, quando é requerida a mesma paciência a nós outros e somos chamados à experiência necessária de vida, os pórticos de nossos corações abrem-se para recebermos turbulências e temporais de emoções em desajuste. Esquecemos de tudo: da calma, do entendimento, do equilíbrio... Jogamos na lata de lixo tudo o que aprendemos e acreditamos ser o suficiente, pois o praticar demanda muito esforço, perseverança e o “querer”, ainda assim nos achamos os melhores, os experts.

Passamos a ser o mocinho da história para não dizer o coitadinho, porque em se falando de perfeição pegamos a fila várias vezes.
Engraçado! E infelizmente é a pura realidade.

Passamos recibo para a injúria, para o desaforo, para a rebeldia, para a maldade, por conta de acontecimentos necessários a nossa evolução...
E não nos atentamos a isso, somos pegos de surpresa.

Felizmente alguns, após o momento da tempestade, caem em si e percebem que poderia ter sido diferente, não havia necessidade de tamanho descontrole. Esses buscam redimir-se antes tarde do que nunca.

No entanto, infelizmente isto não acontece com a maioria, nem mesmo se dão conta de que erraram, muito menos das farpas afiadas usadas para o ataque e o contra-ataque. Vou mais longe, talvez até o próprio agressor fomos nós e jogamos inexoravelmente a culpa no outro, seja ele quem for. É mais fácil.


Caiamos na realidade, a paciência, a calma, a compreensão vêm de dentro para fora, e não das situações que vivenciamos e presenciamos. Ledo engano, dizer que estamos irritados devido ao que nos fizeram.



Se estamos descontrolados é porque nosso interior não estava bem. Ou seja, só faltava uma faísca para atear fogo e explodir o nosso pavil curto, estávamos no aguardo do momento oportuno para jogarmos nosso fogo, labaredas e tudo no primeiro que aparecesse.

Queridos, saibamos buscar o conforto na espiritualidade, nos mentores de luz que nos acompanham, nas vibrações positivas que devemos buscar para estar em sintonia com eles, permitindo que a paciência e a resignação esteja em nós. O pensamento é tudo, tem força e poder, quando damos vazão a estes negativamente atraímos negatividades e toda sorte de dificuldades que vier. Contudo, o contrário também é verdadeiro. Quanto mais pensarmos no belo, no amor ... atrairemos a mesma sintonia.

È Importante que saibamos mudar nossas sintonias negativas para positivas, com firmeza e vigor pensando em tudo de bom que temos e somos, no que desejamos, para que possamos enxergar a realidade dos fatos e acontecimentos que geralmente nos passam despercebidos no dia-a-dia. E, não somente saibamos dar conselhos. Devemos sim oferecê-los sempre, mas muito mais, praticá-los.

Indubitavelmente jamais deveremos esquecer que a prece nos aproxima da luz, que por sua vez nos enche de direcionamentos que trarão a seu tempo muitas felicidades.

Respondamos então o porquê da paciência: a paciência significa suportar as dores, os infortúnios, sem queixas e com resignação para aprender com ela.

E por que suportar tudo sem reclamações? Digo-vos sem reclamações, mas, entendam não como uma avestruz que enfia a cabeça na terra para não enfrentar os problemas e sim, como um ser que sofre, mas luta almejando momentos melhores, e, diz para si mesmo “eu vou vencer”. Já sabemos que tudo o que nos acontece tem um fundo de necessidade, visto que todos os problemas são de alguma forma pagamentos de uma divida contraída por nós mesmos em outrora, bem como, um grande aprendizado do nosso “eu” espiritual, pois não aprendemos sem sermos colocados à prova.

Prova de quê? Da paciência, do entendimento, do controle, do equilíbrio e muito mais...


Vamos refletir mais, criticar menos, apoiar mais, desta forma receberemos na mesma medida na balança da vida.

O universo é sábio, devolve para nós o que enviarmos a ele.


Texto:Leontina R. A. Trentin